1 de Agosto de 1914 – A Alemanha declara guerra à Rússia

Apesar dos esforços do kaiser Guilherme II para evitar um conflito em larga escala, seu primo, o czar Nicolau II, não teve o mesmo objetivo deixando, assim, os germânicos em posição beligerante contra à Rússia objetivando o suporte aos seus aliados austríacos.

Antecedentes

A crise nos Bálcãs se agravara ainda mais com o assassinato do arquiduque Francisco Ferdinando e com as subsequentes ameaças de uma provável invasão dos austro-húngaros contra os Sérvios. Para garantir a integridade do país, a Sérvia procurou a aliança com os russos que tinham interesses enormes com os países eslavos. Por outro lado, os austríacos sabiam que uma invasão naquela região acabaria por gerar enormes problemas diplomáticos (e militares), pois, com o apoio russo, os sérvios possuíam um grande exército pronto para se defender em vários fronts.

Sabendo destes problemas, os austro-húngaros pediram apoio aos alemães visto que ambos tinham um acordo de cooperação militar em caso de ataque mútuo russo (acordo firmado em 7 de outubro de 1879). Tal fato ficou marcado como o começo da tríplice aliança, porém receberia este nome somente após a adesão da Itália em 1882.

Os húngaros, porém, tinham um empecilho à frente. A aliança visava que, se um dos dois países sofresse uma agressão, e não a nação que fosse ao ataque, garantiria a intervenção de seu aliado. Foi sob estes termos que Franz Joseph conversou com o Imperador alemão pedindo o apoio e no dia 6 de Julho ele recebeu, então, a seguinte resposta de seu embaixador em Berlim:

” O governo alemão é da opinião de que devemos decidir o que deve ser feito, em qualquer decisão nossa podemos sempre ter certeza de que a Alemanha estará ao nosso lado. Um amigo fiel e aliado da nossa monarquia.”

Dado a invasão realizada contra a Sérvia pelos Austro-Húngaros, o governo alemão advertiu o Império Russo para que suspendesse a mobilização geral e que qualquer ato hostil seria uma declaração de guerra imediata não somente aos austríacos, mas também aos alemães.

A Declaração de Guerra

Apesar de todos os esforços do imperador alemão para evitar um conflito entre grandes potências europeias e o inevitável choque entre Alemanha e Rússia, não havia outra forma de garantir a integridade física da Áustria e honrar o tratado entre ambas as nações a não ser pela guerra contra os russos, que rejeitaram qualquer ultimato.

Eis, portanto, a declaração entregue pelo embaixador alemão ao governo russo em São Petersburgo:

“O governo imperial alemão usou todos os esforços desde o começo da crise para trazer uma solução pacífica. Em conformidade com a vontade expressa a ele por Sua Majestade, o Imperador da Rússia, o imperador alemão tinha realizado, em conjunto com a Grã-Bretanha, a parte de mediadora entre os gabinetes de Viena e São Petersburgo, mas a Rússia, sem esperar por qualquer resultado, procedeu a uma mobilização geral de suas forças em terra e mar.

Em conseqüência desse passo ameaçador, o que não foi justificado por qualquer processo militar por parte da Alemanha, o Império Alemão foi confrontado por um perigo grave e iminente. Se o Governo alemão não se precaver contra esse perigo, terá comprometido a segurança e a própria existência da Alemanha.

O Governo alemão fora, por isso, obrigado a fazer representações ao Governo de Sua Majestade, o Imperador de Todas as Rússias, e insistir numa cessação dos atos militares citados acima.

A Rússia, tendo recusado a dar cumprimento à presente demanda e tendo mostrado por esta recusa que a sua ação foi dirigida contra a Alemanha, eu tenho a honra sob as instruções do meu Governo, para informar Vossa Excelência o seguinte:

Sua Majestade, o Imperador, meu soberano, em nome do Império Alemão, aceita o desafio, e se considera em guerra com a Rússia. “

A partir deste exato momentos duas das maiores potências europeias estavam em estado de guerra. Desencadeava-se “a guerra que acabaria com todas as guerras”!

Kaiser x CzarImperador Alemão ( esquerda ) e czar russo ( direita )

Deixe uma resposta