31 de Maio de 1916 – Começa a Batalha de Jutlândia

A maior batalha naval da primeira guerra havia começado em ambos os lados uma sede insaciável pela vitória movia as marinhas de guerra.

Antecedentes

Até 1916 não havia tido nenhum grande confronto entre as marinhas de guerra de Grã Bretanha e Império Alemão,somente este segundo provia o terror nas águas através de ataques de submarinos contra qualquer tipo de embarcação britânica,modo este de guerrear que promoveu a morte de muitas pessoas inocentemente e cidadãos de vários países. Estas mortes no futuro acabaram fazendo com que os Estados Unidos entrassem no conflito ao lado da Tríplice Entente.

Os grandes navios usados na primeira guerra mundial eram fruto de uma corrida armamentista de anos anteriores, cada vez maiores e mais armados os navios representaram uma nova marca para os conflitos mundiais. No ano de 1914 assim se compunha a construção de novos e mais modernos conhecidos como Dreadnoughts no cenário de guerra europeu :

Alemanha : 37 navios

Império Austro-Húngaro : 3 Navios

Estados Unidos : 10 navios

Inglaterra : 20 navios

Quando a primeira guerra mundial começou a marinha alemã e a britânica estavam face a um impasse naval,a primeira não podia sair para o mar do norte sem atrair toda a Royal Navy para atacá-la,além de enfrentar um bloqueio face a minas e uma gigante esquadra esperando-a no canal da mancha. Ao norte parte da marinha britânica estava ancorada em Scapa Flow. Por outro lado os britânicos não atacavam a marinha alemã que estava em suas bases altamente protegidas então ficaram patrulhando do mar do norte ao canal da mancha esperando os alemães , se ambas se encontrassem acabariam enfrentando um gigantesco conflito.

Se por um lado os couraçados não podiam levantar âncora os submarinos de acordo com o alto comando naval alemão poderia desequilibrar a balança para o lado deles e seus temíveis torpedos , o capitão britânico Jack Fisher previu este novo modo de guerra :

” O uso de submarinos nos convenceu que na guerra nada pode fazer frente a eles. O submarino é o tipo promissor de vaso de guerra para combater no mar. Significa que toda a base de nossa tradicional estratégia foi mudada.”

A guerra submarina

No 2º dia do conflito a marinha alemã liberou mais de 10 u-boats no mar do norte para caçar a frota inglesa,ao contrário dos couraçados os submarinos se acabassem se infiltrando em bases navais poderiam causar uma catástrofe para a marinha britânica além de propiciar uma tática de ” Hit ‘n Run ” contra navios tanto mercantes quanto militares britânicos.

Tal exemplo se provou quando o U-21 navegou até a Escócia e encontrou sua vítima, o cruzador britânico HMS Pathfinder deixando a base naval de Rosyth. O submarino então disparou seu torpedo afundando assim o britânico.

Eis o relato do capitão do U-09 sobre seu encontro com três cruzadores britânicos, o Aboukir,Hogue e o Cressy :

” Através dos meus binóculos notei um pequeno topo de mastro próximo ao farol flutuante de Maas, parecia o mastro de um navio de guerra. Poderia ser o primeiro sinal do inimigo que nós teríamos durante a guerra? “

Neste combate entre o submarino e os cruzadores o submarino o alemão afundou os três couraçados começando pelo Aboukir seguido pelo Hogue e por último o Cressy. Neste ataque mais de 1400 marinheiros britânicos acabaram morrendo.

O almirantado britânico então organizou um bloqueio para revidar aos ataques alemães,bloqueando assim as saídas da marinha imperial alemã para o mar do norte bem como a entrada de suprimentos para essenciais para manter o esforço de guerra. Este bloqueio vinha mostrando resultados e acarretava em pesadas baixas para as forças alemãs tal como mostra o registro de que no dia 08 de Agosto de 1914 a Alemanha perdeu 41 navios de guerra.

Cada vez piorava a situação dos civis na Alemanha e na Áustria, muitos passavam fome e a pressão popular para que a situação fosse sanada eram imensa, enquanto civis sentiam fome a marinha alemã não se movia dos portos mantendo uma posição segura,porém no ano de 1916 após o episódio conhecido como a  “terrível fome” uma pressão imensa pairou sobre o almirante Scheer,comandante da esquadra alemã,para que algo fosse feito. No dia 31 de maio ele ordenou que sua esquadra se movesse do porto seguro de Willhemshaven para um possível confronto contra os cruzadores da Royal Navy.

A ordem que Scheer deu havia sido interceptado pela inteligência britânica há algum tempo já havia quebrado a codificação sem fio alemã e mantinha toda a comunicação sem fio da marinha imperial sob constante vigilância então três horas antes de os navios zarparem dos portos a marinha real já havia sido comunicada e levava toda a sua esquadra para interceptar os alemães.

Jutland1916

 

Mapa da Batalha de Jutlândia

O combate 

Foi um gigante combate entre cruzadores com mais de 250 navios e 100.000 homens envolvidos,para os britânicos a primeira grande batalha pós Trafalgar. Para ambos era um combate extremamente importante,por um lado se os alemães vencessem o tão impetuoso bloqueio pelo qual sua nação passava terminaria além de isolar as forças britânicas no continente e deixar a ilha principal da Grã-Bretanha desguarnecido e vulnerável para uma provável invasão, tal importância era esta batalha de o Lorde do almirantado britânico proferiu a seguinte frase sobre o comandante da esquadra inglesa,o almirante John Jellicoe :

” John Jellicoe era o único homem que poderia perder a guerra em uma tarde. “

A distância dos embates não era favorável aos britânicos,seus navios possuíam uma blindagem menor que os alemães por isso preferiam lutar a uma distância maior,porém em Jutlândia essa distância era de apenas 8 km. Ás 16:30 o cruzador britânico Queen Mary foi atingido por um disparo que atingiu o paiol da embarcação explodindo-a. Apesar de suas baixas os ingleses eram superiores em armas e números e tentavam fechar um cerco contra as embarcações germânicas para assim liquidá-las porém as mesmas ao entardecer retiraram suas forças rumo ao sul.

HMS_Queen_Mary_Jutland

HMS Queen Mary atingido pelos alemães

O almirante Jellicoe acreditava que esta retirada alemã era nada menos do que atraí-los para uma armadilha mortal de submarinos e minas,ordenou então que enquanto seus inimigos rumavam em uma direção,sua esquadra fosse para a oposta. Não era,os alemães estavam se retirando para os portos amigos e chegaram com segurança ás suas bases,para os britânicos a chance de liquidar a marinha alemã e assim apertar ainda mais o bloqueio comercial que passavam falhou.

Admiral_Scheer

Almirante Scheer

John_Jellicoe_Admiral_of_the_fleet

Almirante Jellicoe

 

Resultado Final

Quando informado sobre as perdas estimadas dos britânicos o Kaiser ficou exultante para anunciar em seu café da manhã que suas forças haviam vencido um grande conflito no mar do norte, as perdas britânicas eram superiores as alemãs, suas forças perderam 11 navios e 2.500 homens enquanto os ingleses perderam 14 navios e 6.000 homens.

Baseado em números o imperador alemão estava extremamente certo em declarar a sua grande vitória porém em objetivos não pode ser afirmado o mesmo,apesar das perdas a esquadra britânica continuava a apertar o cerco comercial contra a Alemanha e patrulhar o mar do norte. Apesar da vitória em números a Alemanha não atingiu seu objetivo principal o que torna o resultado da batalha de Jutlândia na visão de muitos historiadores como um empate.

Algumas Imagens : 

Destruction_of_HMS_Queen_Mary

HMS Queen Mary explodindo após ser atingido

Seeschlacht_Vergleich

Cartão Postal Alemão mostra as baixas britânicas na batalha

 

SMS_Seydlitz_damage

SMS Seydlitz avariado por um torpedo

Deixe uma resposta