03 de Março de 1918 – Assinado o Tratado de Brest-Litovsk

Com a revolução russa de 1917 e consequentemente a ruína de sua economia,os bolcheviques optam por assinar um tratado com os alemães para o fim do conflito entre ambos os países.

 

 

Bundesarchiv_Bild_183-R92623,_Brest-Litowsk,_WaffenstillstandsabkommenMembros na assinatura do Tratado

Antecedentes

A Rússia vivia dias agitados com uma recente revolução, por toda a Rússia confrontos entre os bolcheviques e os apoiadores do czar assolavam-os porém apesar desta guerra civil causar danos e ceifar a vida de muitos russos, oficialmente a guerra continuava contra a Alemanha.

Os bolcheviques que estavam controlando o país concordaram que seria melhor para sua recente república socialista se saissem da primeira guerra mundial e por isso negociaram um armistício com os alemães no dia 15 de dezembro de 1918 para que cessassem os combates entre estas duas potências.

No dia 22 de Dezembro de 1917,uma semana após o armistício entrar em vigor,as negociações de paz começaram na cidade de Brest,localizada na atual Bielorússia. Estavam envolvidos a Rússia,Austro-Húngaros,Turcos-Otomanos e os Alemães.

Os alemães enviaram para representa-los o secretário das relações exteriores Richard von Kühlmann , juntamente com o comandante geral das forças alemãs no front oriental General Max Hoffmann,os austríacos enviaram o seu ministro das relações exteriores  Ottokar Czernin e os turcos foram reprensetados por Talat Pasha.

Os russos enviaram seus membros que nada mais eram que pessoas que se destacaram durante a revolução,estavam liderados por Joffe,um agitador dos bolcheviques e por Anastasia Bizenko,uma militante que se destacou por assassinar um alto oficial do exército imperial russo.

Richard_von_Kühlmann_cph,3b32192Secretário das relações exteriores alemã Richard von Kühlmann

Começo das Negociações

No começo das conversas entre as potências as negociações estavam distantes,por um lado as potências centrais exigiam do governo Bolchevique que os territórios da Polônia e da Lituânia,ambos já ocupados fossem declarados independentes já por outro lado a comissão russa havia deixado claro que o acordo de paz deveria ser “Sem a anexação de territórios e sem indenizações”.

Uma semana após o início das negociações a delegação das potências centrais se retirou para analisar a proposta russa, por volta do dia 25 de dezembro as mesmas potências haviam lançado um comunicado dando a entender que iriam aceitar a parte de não haver anexações de territórios nem a exigência de indenizações e que promoveriam o fim das beligerâncias entre as nações,mas isto não pôs de lado a principal exigência que era a independência das duas nações ( Polônia e Lituânia ).

Lenin queria que o acordo fosse assinado imediatamente para assim os bolcheviques poderem finalmente focar-se em consolidar o poder nos domínios russos,porém ele era o único que pensava assim.

As Negociações Continuaram

Para esta nova rodada de negociações Trotsky decidiu substituir Joffe como líder das negociações de paz com a Alemanha,já os alemães decidiram nesta nova safra de debates exigir a independência dos países Bálticos além da Polônia e Ucrânia.

Os bolcheviques agora estavam em uma situação muito mais crítica sem poder bélico algum para oferecer alguma resistência as forças da potências centrais caso fossem atacadas,fato que aconteceu quando no dia 18 de Fevereiro de 1918 a tríplice aliança cancelou o armistício e iniciou a Operação Faustchlag,esta operação ocorreu sem a resistência das forças já abaladas russas e permitiu aos inimigos dos soviéticos ocuparem a maior parte da Ucrânia,Bielorússia e os países Bálticos.

48 horas para decidir

Os alemães demandam agora novos termos para assinar o tratado,com a posição de vantagem de ter forças atacando a URSS e com a sua marinha aproximando-se de São Petersburgo,exigiram aos socialistas a renúncia de Dünaburg, Livônia e a  Estônia para os alemães, a renúncia da Armênia ocidental para os Turcos, o reconhecimento da independência da Ucrânia com imediata evacuação de suas tropas deste país e da Finlândia e a desmobilização imediata do exército russo.

As potências centrais deixaram bem claro aos russos que eles tinham 48 horas para decidir se aceitavam ou não estes termos; Lenin concordava em assiná-lo e desta vez contou com o apoio do comitê central. Uma nova delegação liderada por  George Chichern e  Lev Karakhan chegou a Brest com ordens de aceitar os termos impostos pelos alemães.

Armisticebrestlitovsk

Área cedida pela Rússia

 

Deixe uma resposta