3 de Março de 1942 – William Hitler tenta alistar-se nos EUA

Carta que o sobrinho de Hitler, William Patrick Hitler, escreveu para lutar pelos EUA na Segunda Guerra Mundial.
William Hitler

 

Essa história se passou nos anos 1940, em meio a 2ª Guerra Mundial. Após ficar um ano foragido da Alemanha nazista vivendo em Nova York, o escritor William Patrick tentou se alistar para servir aos Estados Unidos durante o conflito mundial. Seu pedido foi negado. O motivo: William Patrick carregava um sobrenome que não soava bem para os americanos. O escritor alemão era sobrinho de Adolf Hitler.

“03 março de 1942.
Sua Excelência Franklin D. Roosevelt.,
Presidente dos Estados Unidos da América.
À Casa Branca,
Washington. DC

Caro Sr. Presidente:

Posso tomar a liberdade de invadir o seu precioso tempo e de sua equipe na Casa Branca? Ciente dos dias críticos pelos quais a nação está passando, faço isso apenas porque somente a prerrogativa do seu alto cargo pode decidir minha situação difícil e singular.

Permita-me a delinear, tão brevemente quanto possível, as circunstâncias da minha posição, a solução que eu sinto que poderia ser facilmente feita para convencê-lo na sua intercessão e decisão.

Eu sou o sobrinho e único descendente do Chanceler de má fama e Líder da Alemanha, que hoje tão despoticamente procura escravizar os povos livres e cristãos do mundo.

Sob sua liderança magistral, homens de todos os credos e nacionalidades estão travando uma guerra desesperada para determinar, em última análise, se, finalmente, vamos servir e viver em uma sociedade ética dominada por Deus ou escravizada por um regime diabólico e pagão.

Todo mundo no mundo de hoje deve responder para si a qual causa quer servir. Para libertar as pessoas de um profundo sentimento religioso pode ser, mas uma resposta e uma escolha, que vai sustentá-los sempre e até o amargo fim.

Eu sou um dos muitos alemães, mas eu posso prestar serviço a esta grande causa americana e eu tenho uma vida para dar, que pode, com a ajuda de todos, levar ao triunfo no final.

Todos os meus parentes e amigos [americanos] em breve estarão marchando para a liberdade e decência sob as Estrelas e Listras.
Por essa razão, Sr. Presidente, estou respeitosamente apresentando esta petição para perguntar para se eu posso ser autorizado a me juntar a eles em sua luta contra a tirania e a opressão.[…]

Sua decisão favorável sobre o meu apelo por si só garantiria a continuidade da benevolência do espírito do povo americano, que hoje eu me sinto muito em todas as partes. Eu respeitosamente asseguro-lhe, Senhor Presidente, que, como no passado, eu irei fazer o meu melhor no futuro para ser digno da grande honra do que estou lhe pedindo. Farei isso na certeza de que meus esforços em nome dos grandes princípios da democracia [..]. Posso, portanto, arriscar a ter esperança, Sr. Presidente, que, no tumulto do conflito, o senhor não vai rejeitar o meu apelo por pensar que eu não sou favorável?

Para mim hoje, não poderia haver maior honra, Sr. Presidente, por ter vivido e ter sido autorizado a servi-lo, em nome da liberdade do povo norte-americano, e não há maior privilégio que ter se esforçado e ter um pequeno papel no estabelecimento do seu título, que terá na posteridade como o maior Emancipador do sofrimento da humanidade na história política.

Ficaria muito feliz em dar qualquer informação adicional que possa ser necessária e tomo a liberdade de encerrar esta carta contendo detalhes sobre mim mesmo.

Permita-me, Sr. Presidente, expressar os meus sinceros bons votos para a sua saúde futura e felicidade, juntamente com a esperança de que em breve você poderá levar todos os homens que acreditam a todos os lugares, a frente e para cima, para uma vitória gloriosa.

Muito respeitosamente,
Patrick Hitler”

Após ser investigado, Patrick Hitler entrou para a Marinha americana no ano de 1944, mas foi dispensado em 1947 por se ferir em serviço. O escritor faleceu 40 anos depois, mas legou um documento histórico.

 

Deixe uma resposta