4 de Junho de 1942 – Ouça a única gravação de Adolf Hitler fora de seus discursos

Neste dia, em 1942, um funcionário registrou uma conversa secreta do ditador, numa voz completamente diferente, sem gritos ou palavras de ordem.

No local onde a gravação foi realizada

No dia 4 de junho de 1942, em meio às comemorações do 75º aniversário de Carl Gustaf Emil Mannerheim, Marechal da Finlândia, Adolf Hitler decidiu realizar uma visita secreta para parabeniza-lo. Temendo que o episódio fosse visto como uma visita oficial, Mannerheim decidiu encontrá-lo na cidade de Imatra, no sul do país. Após saudações e discursos, ambos foram até o vagão privativo do marechal acompanhado por funcionários finlandeses e alemães.

Durante um almoço repleto de charutos e bebidas,Thor Damen, um funcionário da companhia de radiodifusão finlandesa Yle, conseguiu gravar 11 minutos da conversa. Naquele dia, Damen conseguiu gravar o único momento onde a voz normal de Hitler, numa conversa corriqueira, sem gritos e palavras de ordem, pode ser escutada. E quase foi morto por isso.

Inicialmente, Damen estava no local para gravar o discurso oficial do tirano e a mensagem de aniversário para Mannerheim. Quando os discursos acabaram, Hitler não foi avisado que o microfone estava ligado, assim o rumo da conversa mudou de oficial para privado. Nesse momento, Damen viu uma oportunidade de gravar o único momento onde Hitler não levantava a voz— o ditador não permitia que nada fosse gravado antes dele estar “preparado”, ou seja, com o tom utilizado durante os seus discursos encenados.

Nos primeiros 11 minutos, o ditador e o marechal conversaram sobre a mal-sucedida Operação Barbarossa, as derrotas dos italianos no norte da África, Iugoslávia e Albânia, armamentos da União Soviética e sobre os poços de petróleo romenos. Hitler não se altera ao admitir que a resistência soviética o surpreendeu.

Assim que perceberam o truque, os guardas de Hitler repreenderam Damen e interromperam a gravação. A situação piorou quando os oficiais emitiram um sinal indicando que a garganta de Damen fosse cortada.

O interior do vagão 

“Quando os agentes de segurança alemães descobriram, isso realmente se tornou uma cena, com eles ameaçando matar Damen e ordenando que ele destruísse a fita”, diz Lasse Vihonen, chefe de arquivos de som da Yle em entrevista ao The Guardian.

Os oficiais exigiram que a fita fosse destruída, mas a Yle foi autorizada a guardá-la em uma caixa, sob a promessa de que o recipiente nunca seria aberto. Em seguida a gravação foi entregue a Kustaa Vilkuna, chefe do gabinete de censores do Estado e só foi devolvida à Yle em 1957.

Aqui, a conversa inteira, com legendas em inglês:

Por Thiago Lincolins

Comments are closed.