7 de Abril de 1992 – Morre Yang Kyoungjong, o coreano que serviu a três exércitos

Yang Kyoungjong serviu a nada mais, nada menos, que três exércitos diferentes: o poderoso exército imperial japonês, o grande exército vermelho e, por fim, ao exército alemão.

Yang Kyoungjong

Yang Kyoungjong, em uniforme da Wehrmacht, após ser capturado pelos americanos na Normandia.

 

Após emergirem como inimigos e rivais durante competições de maratonismo na juventude, o coreano Kim Jun-shik e o aristocrata japonês Tatsuo Hasegawa vêem-se ambos no Exército Imperial Japonês, onde enfrentam os soviéticos na Batalha de Khalkhin-Gol em 1939. Jun-shik, soldado raso, e Hasegawa, um poderoso Coronel, são ambos capturados e têm que controlar o ódio mútuo que sentem um pelo outro quando são forçados a entrar para o Exército Vermelho. Em 1943, na batalha por Kharkov, ambos são novamente capturados, desta vez pelos alemães, e por serem de países aliados à Alemanha acabam entrando para a Wehrmacht, sendo enviados para a Normandia. E é lá que eles enfrentarão a maior operação anfíbia da história, no dia 6 de junho de 1944.

Kyoungjong tinha 18 de anos de idade em 1938, quando foi convocado para serviço militar no Exército Imperial Japonês – a Península da Coréia era uma colônia japonesa na época. Enviado para o Exército de Kwantung, aquartelado na Manchúria, Kyoungjong acabou fazendo parte do efetivo japonês que enfrentou as maciças forças soviéticas na Batalha de Khalkhin Gol em 1939. Capturado, ele foi levado de trem até um campo de trabalhos forçados na Sibéria.

Após mais de dois anos em cativeiro soviético, Kyoungjong e outros milhares de prisioneiros foram integrados ao Exército Vermelho em 1942, numa época em que Moscou necessitava desesperadamente de potencial humano para enfrentar a ofensiva alemã contra a URSS.

Durante a Terceira Batalha de Kharkov, em março de 1943, o jovem coreano foi capturado pelas vitoriosas tropas alemãs de Erich von Manstein, e levado a um campo de prisioneiros. Quando descobriu-se sua origem coreana (considerada parte do Japão), ele foi integrado a um dos Ostbataillonen, ou “Batalhões do Leste” – unidades de voluntários e conscritos de origem asiática que serviram no Exército Alemão.

Sua unidade foi enviada para a Península de Contentin, na Normandia, nas proximidades da praia Utah, invadida pelos americanos em 6 de junho de 1944. Após sobreviver ao bombardeio aeronaval Aliado e aos combates iniciais contra as posições fortificadas nas praias, Kyoungjong acabou sendo capturado por paraquedistas americanos.

De acordo com o Tenente Robert Brewer, do 506º Regimento da 101ª Divisão Aerotransportada, ninguém conseguia se comunicar com o asiático em uniforme alemão, e logo pensou-se que se tratava de um japonês. Kyoungjong foi então enviado para um campo de prisioneiros na Inglaterra.

Após a guerra, e com sua identidade reconhecida, o soldado coreano de história fantástica emigrou para os Estados Unidos, indo morar no estado de Illinois. Lá, Kyoungjong casou-se com uma americana e teve dois filhos e uma filha. Viveu quietamente, até falecer aos 81 anos de idade em 1992.

Deixe uma resposta