12 de Maio de 2008 – Morre Irena Sendler

Morre Irena Sendler, uma das maiores figuras heroicas da Segunda Guerra Mundial.

Irena

Durante a Segunda Guerra Mundial, Irena, com uma identidade falsa, conseguiu permissão para trabalhar como um tipo de vigilante sanitária no Gueto de Varsóvia (Gueto de Varsóvia foi o maior gueto judaico estabelecido pela Alemanha Nazista na Polônia.). Mas isso era apenas uma faixada, na verdade, ela tinha um motivo ulterior, um motivo nobre para arriscar a sua vida desse jeito.

Irena montou toda uma estratégia, ela escondia crianças judias na parte inferior da caixa de ferramentas que carregava para fazer seu trabalho. Ela também carregava uma especie de saco na parte traseira da sua caminhonete, para esconder e resgatar crianças maiores.

Irena mantinha um cão na parte de trás de sua caminhonete, que ela treinou para latir quando os soldados nazistas fossem permitir a entrada ou saída dela do local. Com o cão latindo, além de abafar os possíveis barulhos das crianças, os soldados nem encostavam na traseira da caminhonete.

Durante o tempo que Irena passou resgatando as crianças com essa tática, ela conseguiu salvar mais de 2500 crianças. Por fim, quando ela foi pega, os nazistas quebraram ossos de suas pernas e pés na tentativa de obter informações, mas Irena não disse uma palavra. Ela apanhou severamente, mas sobreviveu, graças a ajuda de um soldado alemão.

Irena tinha um lista com o nome de todas as crianças que ela conseguiu salvar, ela mantinha a lista em um jarro enterrado próximo a uma árvore no fundo do seu quintal. Depois da guerra, ela tentou contatar qualquer dos parentes das crianças que tivessem sobrevivido, para assim, reunir a família. Como a maioria dos familiares tinham sido mortos, muitas das crianças foram para orfanatos e eventualmente conseguiram pais adotivos.

Irena foi indicada para o prêmio Nobel da Paz em 2007, mas infelizmente não conseguiu ganhar. Ela morreu aos 98 anos de idade no dia 12 de maio de 2008.

“A razão pela qual resgatei as crianças tem origem no meu lar, na minha infância. Fui educada na crença de que uma pessoa necessitada deve ser ajudada com o coração, sem importar a sua religião ou nacionalidade.” – Irena Sendler

Leave a Reply